Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

AMI

NEPAL: AMI apoia vítimas do terramoto

NP199601_001.jpg

 

A Fundação AMI decidiu apoiar com uma verba até 200 mil euros as vítimas do terramoto no Nepal. Esta ajuda será disponibilizada à população mais atingida pela catástrofe, através das parcerias que a AMI mantém há anos com várias ONGs locais do Nepal e países circundantes (Índia, Bangladesh, Paquistão e China) cuja informação, rapidez e credibilidade de atuação são reconhecidas pela AMI.

Nas últimas horas, a AMI tem desenvolvido intensos contactos com estes seus parceiros. Neste momento, a ONG indiana, Friend's Society, parceira da AMI desde 1990, já tem dois elementos no terreno a realizarem um levantamento de necessidades nas áreas de água e saneamento, abrigo e alimentação;

Para ajudar a população nepalesa através da AMI é possível fazer um donativo online em: http://donativo.ami.org.pt ; através do NIB 000700150040000000672 ou ainda do serviço “Ser Solidário” no Multibanco, selecionando: Transferências> Ser Solidário> AMI.

Catarina Gomes (Público) e Pedro Miguel Costa (SIC) ganham 17º Prémio Jornalismo Contra a Indiferença

fotogrupo_jornalismo.jpg

 

Os vencedores do 17º Prémio Jornalismo Contra a Indiferença 2014 são Catarina Gomes (Público) com os trabalhos “Perdeu-se o Pai de José Carlos” e “Infância de Vitrine” e Pedro Miguel Costa (SIC) com a reportagem “Faz de Conta que é uma casa” .

 

O júri atribuiu ainda menções honrosas a Miriam Alves (SIC) com o trabalho “O Labirinto de Soraia”, a Ricardo J. Rodrigues (Notícias Magazine) com a reportagem “Trabalhos Forçados” e, finalmente, Sílvia Caneco (Jornal i) pelos trabalhos “Carolina, 15 anos, voltou a ser vítima de abusos"; "Bloggers querem ajudar Carolina a ter uma casa nova", "Carolina, duas vezes vítima de abusos, tem finalmente uma casa nova" e “Ministério da Educação reabre investigação à antiga escola de Carolina".

 

Os prémios foram atribuídos, ontem, dia 21 de Abril, na Escola Superior de Comunicação Social, em Lisboa, no encerramento do Colóquio AMI Jornalismo Contra Indiferença.

 

Para o júri a reportagem “Perdeu-se o pai de José Carlos” chama a atenção para a questão do Alzeihmer, focando o drama do cuidador e as falhas do sistema. Um tema ao qual ninguém pode ficar indiferente, ainda mais numa sociedade com um envelhecimento acelerado. Já “Infância de Vitrine” revela uma história do nosso passado que faz pensar no presente e no perigo da estigmatização das doenças.

 

Para o júri a reportagem “Faz de conta que é uma casa” , mereceu também o primeiro prémio por ser um retrato perfeito dos nossos dias. Um condomínio de luxo que a crise deixou em tijolos e serve hoje de casa a quem a falência da construção civil deixou sem trabalho. Um teto com vista para a autoestrada da indiferença.

 

Relativamente às menções honrosas, o júri premiou “O Labirinto de Soraia” pela importância do tema, a saúde mental na infância, e pela qualidade da abordagem, nomeadamente da imagem. A nível europeu, Portugal é um dos países que mais sofre esta realidade e a inexistência de respostas. Já a peça “Trabalhos Forçados” chama a atenção para o drama dos idosos. Este não é, de facto, um país para velhos. Numa sociedade envelhecida e em crise, faltam respostas para a pobreza na terceira idade. Cada vez mais o sustento dos filhos que o desemprego faz regressar a casa. Finalmente, o conjunto de trabalhos que retrata um caso de violência juvenil do abuso sexual e a falta de resposta da escola e da sociedade. Estas reportagens tiveram o mérito de despertar consciências, conseguindo soluções. Mostram que, por vezes, o jornalismo ainda consegue fazer a diferença.

 

O 17º Prémio AMI Jornalismo contra a Indiferença teve como convidado especial António Perez Metelo e como júri, o presidente da AMI, Fernando Nobre; os vencedores da edição anterior, Ana Sofia Fonseca (SIC) e Rita Colaço (Antena 1); a amiga da AMI, Paula Sarmento; e ainda Maria José Mata, pela Escola Superior de Comunicação Social.

 

Ao longo dos últimos 16 anos, a AMI recebeu 808 trabalhos elaborados por 522 profissionais de comunicação social.

AMI reforça apoio ao emprego e a estudantes universitários

Press release

PT200951_002.JPG

 

A partir de hoje, pessoas recentemente empregadas ou em vias de encontrar emprego podem contar com um novo apoio da AMI: O Fundo para o Desenvolvimento e Promoção Social. Trata-se de uma bolsa de 20 mil euros a ser atribuída pelos Equipamentos Sociais da AMI aos beneficiários inscritos nestas infraestruturas e que tenham ou estejam em via de regressar ao mercado de trabalho. O apoio será no máximo de 100 euros por pessoa no primeiro mês de trabalho.

 

Para o próximo ano letivo, a AMI coloca à disposição dos estudantes o Fundo Universitário AMI. O objetivo é apoiar a formação académica de jovens que não disponham dos recursos económicos necessários para o prosseguimento de estudos no ensino superior ou que, no decurso da sua licenciatura, se encontrem subitamente numa situação financeira crítica. As candidaturas a este programa estarão abertas em concurso online, no site da AMI, de 1 de setembro a 31 de outubro. Os resultados serão anunciados igualmente no site da Fundação até ao dia 30 de novembro de cada ano.

 

Os regulamentos do Fundo para o Desenvolvimento e Promoção Social e do Fundo Universitário AMI estão disponíveis em www.ami.org.pt

 

Em Portugal, a AMI apoiou em 2014, 31.500 pessoas, 14.400 das quais de forma direta e personalizada através dos seus 17 equipamentos e respostas sociais.

Guiné-Bissau: AMI amplia escola primária

escolaguine02.jpg

 

A AMI está a ampliar a escola primária em Wato, na Guiné-Bissau. O estabelecimento de ensino erguido pela AMI em 2009 está a crescer, conhecendo mais duas salas de aula com capacidade para acolher diariamente uma centena de crianças. A escola que recebe alunos do 1º ao 6º ano verá estes trabalhos de ampliação concluídos no final deste mês.

 

Este projeto de promoção da educação conta com o financiamento do torneio de golfe solidário a realizar-se no dia 28 de março no Vidago Palace Hotel, da Aventura Solidária AMI , que parte para a Guiné-Bissau no dia 24 de abril, e ainda da empresa portuguesa Origama.

 

Pode colaborar e financiar as obras nesta escola através da plataforma donativo.ami.org.pt

 

BRASIL: AMI alarga intervenção no Rio de Janeiro e Milagres

20150225_135232.jpg

 

A AMI vai reforçar o apoio a duas ONG brasileiras (Metamorfose e ACOM), financiando projetos sociais no Rio de Janeiro e em Milagres, respetivamente. São as duas faces do Brasil, rural e urbano, que, após a missão de avaliação realizada entre os dias 23 de fevereiro e 3 de março, verão alargado o apoio humanitário oferecido pela AMI.

 

No Rio de Janeiro, a ONG Metamorfose desenvolve um importante e árduo trabalho de sensibilização social junto da comunidade infanto-juvenil da favela de Xerem. Problemáticas de toxicodependência e prostituição são o contexto comum no qual se encontra grande parte desta população. A organização brasileira desloca-se a três áreas desta favela, apoiando localmente mais de três dezenas de jovens que pretendam dar um novo rumo às suas vidas.

 

Rural e urbano: as duas faces do Brasil contemporâneo

A AMI nesta missão desafiou os responsáveis da Metamorfose  a replicarem o prémio “Linka-te aos Outros”, colocando à disposição o regulamento desta iniciativa e os fundos necessários para a realização de projetos nascidos e implementados pela comunidade escolar.  Paralelamente, existem ainda duas ações que podem concretizar-se no decorrer deste ano. Uma primeira ligada ao apadrinhamento de crianças em idade escolar que necessitem de apoio nas despesas de educação e, finalmente, um projeto denominado “Meninas Esperança” dirigido a raparigas toxicodependentes. Nesta missão de avaliação, a AMI revelou abertura em apoiar estes projetos, ajudando esta ONG a mudar a vida destes jovens e crianças rumo a um futuro mais digno e feliz.

"Temos em curso um projeto ainda mais ambicioso. Trata-se de dotar a comunidade de água potável através de uma rede canalizada com ligação direta a dois reservatórios com 10 mil litros cada."

Já no nordeste brasileiro, a AMI continuará a apostar no desenvolvimento da comunidade de Genipapeiro II. Situada a 10 quilómetros de Milagres, esta aldeia recebeu os aventureiros solidários da AMI que construíram uma vedação de proteção dos terrenos agrícolas. Esta obra permitiu desde logo desenvolver hortas comunitárias, não só para consumo próprio, como também para venda, criando assim uma dinâmica de sustentabilidade.

 

Atualmente, temos em curso um projeto ainda mais ambicioso. Trata-se de dotar a comunidade de água potável através de uma rede canalizada com ligação direta a dois reservatórios com 10 mil litros cada. A iniciativa está a ser um sucesso e será alargada das atuais 10 para 40 famílias.

 

Paralelamente, o projeto das hortas comunitárias continua a desenvolver-se a bom ritmo, sendo expetável a criação de uma cultura específica de plantas medicinais, tendo em vista a resolução médica de alguns problemas de saúde, contornando assim a inexistência de uma farmácia.

 

Encontra-se ainda em estudo, o desenvolvimento de atividades na área da pecuária, dotando assim a comunidade de maior autossuficiência alimentar e robustez financeira ao vender os excedentes.

Colômbia: "Trabalhar aqui pressupõe adaptação"

IMG_0132.JPG

 

"Parti para esta missão em terras colombianas para trabalhar com a Fundación Hogar Juvenil. Quando cheguei trazia um olhar atento e curioso que me foi mostrando este povo maravilhoso que me surpreende diariamente.

Fui integrada no departamento de Saúde e Nutrição composto por uma auxiliar de enfermeira e uma nutricionista.

O projeto que estamos a implementar “Un Barullo por la Nutrición de la Primera Infancia” implica trabalhar e ajudar 300 crianças e respetivas famílias, de forma a prevenir, valorizar e recuperar a sua capacidade nutricional. Neste sentido, desenvolvi um processo de avaliação e registo de Consultas de Enfermagem de acordo com os parâmetros avaliados na 1ª infância. Até ao momento os resultados têm sido positivos, permitindo atuar no momento e, prevenir problemas maiores no futuro.   

Nesta segunda-feira, dia 2 de Março, vão começar as aulas que decorem das oito da manhã até as 16 horas. As crianças fazem três refeições na Fundação. Posto isto, iremos desenvolver um conjunto de educações para a saúde com os docentes da Instituição, as crianças e os pais. Estas terão em conta às necessidades encontradas na população, tais como: Nutrição; Prevenção de Acidentes domésticos; Doenças da 1ª Infância; Higiene Pessoal; Saúde Oral; Saber como educar; Primeiros Auxílios, entre outras.

Confesso que vim para a Colômbia com ritmo acelerado e com a vontade e uma força enormes de fazer tudo para "ontem". Aos poucos, fui aprendendo que os ritmos são diferentes, assim como os costumes e o próprio dia-a-dia.

Gradualmente fui-me sentindo em casa neste país desconhecido que me acolheu de braços abertos ao som da Salsa e da Champeta.

Os rostos encontrados, nos percursos feitos diariamente, tornam-se familiares. Um tímido bom dia, antes dito, transforma-se num cumprimento cheio de alegria de alguém que, hoje, encontra um amigo.

Aquele olhar atento e curioso, inicial, transforma-se num olhar, que apesar de continuar constantemente atento e curioso, está mais familiarizado com o que o rodeia.

Trabalhar aqui pressupõe adaptação ao novo meio. Adaptar não significa esquecer o que somos nem a experiência que temos. Pressupõe um equilíbrio entre o conhecido e o que estamos a conhecer.

É preciso compreender que vivo numa sociedade diferente, com um ritmo próprio, com as pessoas e formas de trabalhar distintas. Diferente não significa ineficiente. O fruto sai da fusão entre o melhor de cada mundo.

Os dias na Colômbia são um desafio constante. É descobrir limites e reinventar novos. Obriga-me a ser mais criativa, compreensiva, tolerante e espontânea. No fundo, menos automatizada, menos individualista. Mais Humana. Sigo com o trabalho por cá, com o propósito de honrar a camisola que visto."

 

 Enfermeira Margarida Marques.

IRS contra a fome

Art_IRS15_crtz_A4.jpg

 As receitas conseguidas com a consignação do IRS têm sido uma ferramenta importante para as ONG e associações de apoio humanitário combaterem a fome em Portugal. A alimentação foi a necessidade mais solicitada pelas mais de 31 mil pessoas que a AMI apoiou no nosso país no ano passado. Em 2014, a Fundação AMI serviu nos seus centros sociais, mais de 200 mil refeições e distribuiu perto de 350 toneladas de alimentos. A mais básica das necessidades humanas é a razão que leva muitas pessoas em situação limite a recorrer à AMI, e o ponto de partida para um seguimento mais personalizado com vista a um (re)começo de vida. Parte desta luta contra a fome é apoiada pelos contribuintes através da consignação de parte do seu IRS.

 

Tendo em conta a necessidade de continuar a apoiar a população mais carenciada, a AMI solicita que na altura de preencher o IRS, destine sem qualquer custo 0,5% deste imposto à AMI. Basta assinalar no quadro 9 do anexo H da declaração o número de contribuinte da AMI: 502744910. Uma cruz no sítio certo pode valer uma refeição.

É apenas uma aldeia de escravos

Niger---Escravos--4.jpg

 

Texto: Luís Pedro Nunes | Fotografias: Alfredo Cunha

 

Podemo-nos comover com uma fotografia aí sentados em casa. Já aconteceu. É tremendo o poder de uma imagem. Mas quando temos uma agenda apertada de situações humanitárias limite num país que está em último lugar no índice de Desenvolvimento Humano, o cérebro começa a arranjar defesas e a ficar dormente. Estamos ali nos locais e vamos banalizando a miséria no seu estado puro.

Estamos na República do Níger há cinco dias e somos uns privilegiados. Normalmente já teríamos sido detidos e recambiados. Pouca gente sabe sequer o que é o Níger. Quando dizemos que estivemos lá pensam que estamos a falar da Nigéria que é outro país que faz fronteira – esse sim conhecido e nas notícias. Níger – ex-colónia francesa, 16 milhões de habitantes, 2/3 é deserto. A norte tem a Líbia e a Argélia. A sul, a Nigéria e o Benim. A este, o Chade. E a oeste, o Mali e o Burkina Faso. Um pesadelo

em termos securitários e um pólo agregador das rotas de emigração para a Europa. Um dos países mais pobres do mundo. E dos mais esquecidos. Não tem guerra civil e lá tem conseguido evitar golpes de estado nos últimos anos. Tem uma ténue economia entregue parcialmente a chineses e recursos naturais como urânio, explorado pelos franceses, e a alma a ser encantada por um islão cada vez mais revoltado. Está algures perdido na África ocidental a ser devorados pelo deserto e pela miséria. E uma população que irá duplicar em menos de 20 anos. Termos ido na comitiva da AMI, ali em missão exploratória para parceiras humanitárias, concedeu-nos a possibilidade que não é dada a jornalistas há anos: a de ficar no país com o benefício da dúvida. E de sermos recebidos por ministros e pela primeira-dama e de ir ao terreno. E de termos feito bons amigos. Nessa manhã, já com um calor que na nossa perceção iria roçar os 50 graus (talvez sejam só 45 ou 46) estávamos pois a deixar Niamey, a capital, com escolta militar, passar as barreiras policiais na estrada e chegar a essa tal aldeia de escravos num local desolador que uma associação de direitos humanos locais, a Timidria, apontava como exemplo de sucesso na auto-determinação. Uma aldeia de escravos entre tantas. Esta tinha apoio.

Os jipes param. Chegámos a Gurti Korà. Os soldados posicionam- se porque sim. A aldeia corre para nós com os mais velhos à frente para nos cumprimentar efusivos, agarrando a nossa mão com as suas em concha, ou puxando ligeiramente o braço e segurando o antebraço como se quisessem evitar que ao fazer o cumprimento o nosso não se machucasse. Há sorrisos desdentados dos anciãos que mostram grande satisfação. Crianças, sempre elas, por aqui, por ali, por todo o lado, as mulheres a carregar bebés. Sempre. Afinal, a média de filhos por mulher é de sete. Sim, sete por mulher.

Visualmente é “apenas” mais uma aldeia. Uma aldeia que é um espaço desolado de cabanas. Talvez mais miserável e esmagada pelo sol no meio do nada numa terra de cor alaranjada do Sahel.

O dirigente da Timidria pede para reunir a aldeia debaixo da árvore mais frondosa para depois fazer a visita. Homens mais velhos nas cadeiras em meia lua, mulheres mais velhas no chão sentadas no centro (toca um telemóvel? É de uma delas? Há assim momentos absurdos nas pregas do absurdo). As mais novas de pé atrás. Crianças a zumbir por todo o lado. O chefe tem a seu lado o professor que irá traduzir do idioma local para francês. É suposto estarmos numa aldeia a que foi concedida, de alguma forma, a libertação, ao terem a proteção da associação que lhes arranjou as terras. Um pequeno exemplo de sucesso. É difícil explicar... Oficialmente não há escravatura no Níger desde 1960. É criminalizada desde 2003. E no entanto, aquelas pessoas que estão ali connosco não têm direitos. Existência jurídica. O professor primário tem que repetir várias vezes a tradução do chefe da aldeia (que não fala francês) até que o representante da Timidria – homem de coragem, um negro grande imponente licenciado na Sorbonne – perceba finalmente o que se passou. No chão, sentadas nos panos, as velhas acenam com a cabeça e murmuram em concordância. Já perderam tudo de novo. Não têm nada. Nem terras, nem poço de água. De repente, há um buraco que se abre para uma existência de outro tempo. E depois de estarmos lá dentro tudo faz sentido mesmo que seja como numarealidade paralela.

Niger---escravos-miúdos-1.jpg

 Esqueçamos o calor e a sede. Aqueles seres humanos que estão ali à nossa frente e que existem – já lhes tocámos, têm textura, pele e vida e estão a sofrer – são escravos. E não se trata de uma expressão. Pertencem, como uma cadeira ou uma vaca, a outros seres humanos. E são-no eles como foram os seus pais e avós há gerações e gerações. (Falámos todos depois sobre isso no ar condicionado do hotel: como o próprio modo de encarar é diferente, as cabeças e os queixos baixos que olham de um nível inferior para cima, os braços cruzados, uma aflitiva subserviência e acomodação que não reproduz a vilania do que o chefe está a relatar. Há um sismo dentro de nós naquele semideserto amarelado.)

É que vou explicar de novo. Há uma outra aldeia a uns quilómetros que é senhora e dona desta e bem como destes seres humanos. E que ainda vem buscar as mulheres para as levar e utilizar sexualmente. Mesmo que sejam casadas. É disto que falo quando digo que são escravos. E os homens tratam do gado e são tratados como gado. Não é um eufemismo. Mas o que se passou em Gurti Korà para estarmos ali debaixo da árvore e o ambiente estar pesado? É que houve um imbróglio qualquer, porque a Associação Timidria tinha arranjado maneira de eles terem uns dois hectares de terra e um poço de água. A tradução vai e vem entre complicações, pois também envolve más decisões do chefe que, por isso, deve estar a enrolar a história. Aparentemente na sua ambição de aldeia libertada terá votado num chefe maior de todas as aldeias que acabou perdedor. O que levou à ira do novo líder que unilateralmente obrigou à venda de terras e mandou tapar o poço. De repente, começamos a achar que faz sentido. Até há ironia. Dentro daquelas regras, uma aldeia “libertada” usou a sua liberdade para votar no líder errado e viu-se de novo na condição de escrava que nunca terá perdido para o outro. E as velhas acenam com a cabeça. Atrás de mim, um miúdo de dois anos encosta a ponta do nariz na minha nuca. Tem uma t-shirt verde com letras amarelas a dizer OBAMA. É uma marca de roupa local. “E vivem de quê?”, o chefe encolhe os ombros. De ajuda. Olho em redor e não vejo nada. Nem uma cabeça de gado. Nada. Não se consegue perceber. Não é para perceber. Cá dentro, as nossas estruturas começam a ceder. Se calhar pensamos que isto é apenas um caso. Não. É apenas um entre tantos. Contam-nos que tínhamos passado pelo que pensávamos ser apenas o centro de uma aldeia, mas é um caminho de areia que divide duas: de um lado a aldeia dos escravos; do outro a dos senhores. E não se misturam.

Os escravos são uma questão regional de todo o Sahel. Da Mauritânia ao Senegal, do Chade ao Sudão. E as autoridades do Níger, pelo menos neste momento, dizem estar abertas ao tema, para que deixe de ser tabu. Mas que tema é este? O que é um escravo? Não estamos a falar propriamente de um bem transacionável mas de um ente que nasce sem direitos. Há aqui um mundo de diferenças. E é-nos difícil porque queremos algo para nos situar. Serão como os “intocáveis” na Índia? Não mas... É uma questão cultural, que vem desde a tradição tuaregue e que agora tem vindo a ser ainda mais intensificada com a crescente islamização do país e a “norma da 5ª mulher” que é uma interpretação regional do Islão.

A escravatura está entranhada na sociedade do Níger, seja urbana ou rural e não só nas etnias tuaregues (que tem um complexo sistema de castas) e mauberes, sendo que a maioria dos casos de escravos vem perdida na árvore das gerações. Mas não se pense que chega ali e é algo que salta à vista. Podemos olhar e nada ver. Não há marcas nem sinais, grilhetas ou correntes. Apenas inexistência de direitos de ser um humano acomodado há gerações a este facto, sem hipótese de mudar. Fomos dar uma volta pela aldeia. O índice de natalidade nem é dos mais altos. Para 600 pessoas há 200 crianças. Duas das “salas” de aula são de palha e as crianças estão perfiladas, muito arranjadinhas, vestidinhas e compostas. São desafiadas a ler uma frase no quadro. Digo-vos que seria uma cena até inverosímil num telefilme americano de tão perfeita que saiu. A palhota no deserto, as crianças escravas, lindas e enternecedoras, a ler num tom suave e doce uma frase em francês carregada de “rrr”. O sol a entrar pelas frechas das canas do tecto, o silêncio delas, o ar submisso mas muito direito, a incapacidade de as “desmontar” para um estado de crianças naturais, a certeza de que elas já sabem que são “escravas”. Que idade tens? Não sabe. Ali sim, qualquer coisa bateu em todos nós. Bateu. Saímos diferentes lá de dentro. Tínhamos descido a um estado de compreensão e entendimento do abjecto e sem perder as nossas referências. Estávamos cá em baixo agarrados a um ponto de interrogação impotentes e derrotados. E chega a agitação da partida. Os cumprimentos a todos. Tanta alegria. A sensação de que dentro de minutos ali ficariam apenas uns rastos de jipes e o silêncio e o calor. Havia uma sensação de indignação misturada com uma raivazinha. Mas não sei se devemos ir por aí. Apenas o não querer esquecer aquele momento em que faltou o ar quando saímos da sala. É a diferença quando a realidade nos é descodificada. Dias antes, tínhamos estado num campo de deslocados que tem o patrocínio da primeira-dama Aissata Iossoufou Mahamadou. Trata-se de uma população que vivia numa pequena ilha no meio do Rio Níger que há dois anos foi devastada pelas cheias. Um dos dramas deste país, a juntar à bomba demográfica: as alterações ambientais, o avanço do deserto, a erosão, alterações do rio seguidas de períodos de seca.

Os habitantes da aldeia tiveram que ser mudados para uma zona a dois quilómetros da margem e só agora se está a tentar arranjar um terreno para que se consiga construir uma nova aldeia. Lá estivemos a ver e conversar. E mesmo sendo uma aldeia da Fundação Guri da primeira-dama, as condições são humanamente difíceis de descrever. Pedaços de tendas de ajuda humanitária cosidas a canas fazem de abrigo a centenas de pessoas. O folheto da Fundação não esconde a realidade do país: índice de fecundidade de 7,1, (a mais elevada do mundo) e uma taxa de crescimento anual da população de 3,3 o que faz uma pressão brutal sobre os recursos naturais e uma taxa de mortalidade infanto-juvenil de 130%, sendo que 65.9 vive abaixo do limiar da pobreza e as mulheres são 2/3 dos pobres. Está o retrato feito com números. Visitar esta aldeia já é de si uma experiência poderosa. Mas quem está habituado a fazer missões humanitárias em África sabe que esta é a realidade em muitos países. Demasiados mesmo. O que não sabia, e soube-o só depois, é que também esta era uma aldeia de escravos. E faltou este “filtro”. E entre ver uma aldeia de deslocados, de gente sem nada, num dos países mais pobres do mundo e perceber que é uma aldeia de gente sem nada num dos países mais pobres do mundo, mas de gente escrava – teria feito toda uma civilização de diferença. Nunca a palavra escravo foi mencionada.

Niamey-.jpg

 O que queriam era saber como chegar ao rio e pescar. E ter de novo uma aldeia a que chamar sua. Devemos suspeitar do que vemos e como vemos. Mesmo o que vos conto é parte de parte de uma teia. Não se percebe uma mistura de culturas centenárias numa semana. Claro que a escravatura é um tema tabu para mostrar a olhos externos mesmo que se diga que não. Está tão enraizado na sociedade que só deve parecer estranho quando alguém de fora coloca o assunto para a mesa. E deve fazê-lo com cuidado. “Ter” escravos... Desconfiamos mesmo que deve ser banal mesmo nas classes mais altas. Nunca o saberemos. E a escravatura está escondida sob forma de matrimónio. É a chamada 5ª mulher e

que no fundo é o grande alimentador desse ciclo. E não vai ser qualquer ONG ou movimento externo ou grupo de pressão que irá alterar a situação. O Islão permite ter quatro mulheres, mas no Níger um homem pode ter mais, no que é conhecido pela 5ª esposa (que podem ser 5, 10, 15 ou mais... mas sempre conhecidas pela 5ª. É tudo uma questão de dinheiro). A questão é que não só não há casamento em si, como ela não obtém nenhum direito matrimonial sendo, no fundo, uma escrava não só do marido como das quatro mulheres legítimas. As relações domésticas acabam por ser mais complexas. A 5ª esposa é obviamente muito mais nova, não tem “dia fixo”, o que cria uma disrupção no equilíbrio estabelecido. É sabido que muitas das legítimas têm ciúmes, o que leva a abusos sobre as 5ªs mulheres. E ociclo da escravatura recomeça, dado que os filhos destas também não têm quaisquer direitos. E trata-se de uma distorção do Islão, pois é-lhes dito que é vontade de Alá que sejam escravos e só se obedecerem ao seu dono é que irão para o Paraíso quando o Corão diz precisamente que nenhum muçulmano tem poder para escravizar outro muçulmano. Mas esta é uma visão muito parcial de um povo e de um país. Podíamos ter estado dias sem fim na capital, Niamey, e vivido numa caótica “normalidade” de uma capital chocante de pobre. Trata-se de uma cidade de milhares de motas chinesas, carros que serpenteiam, sem regras e gente que sorri. Vêem-se milhares de sorrisos. Se o primeiro impacto é a cor da terra amarelada que se confunde com as paredes. O segundo é o lixo e o plástico que voam por todo o lado como parte das paisagens. O terceiro serão os sorrisos. Eu e o Alfredo fizemos a cidade de uma ponta a outra. Só com um motorista. Não tivemos um problema.

Há poderosas armas para usar: um sorriso e um “bonjour!” ou um “salam aleikum!”.

Mas entre a aldeia dos escravos e o turbilhão da cidade há camadas complexas de existência que só posso descrever. São o formigar colorido de pessoas nos mercados, a passar de um lado para o outro, a fazer pela vida e a conseguir passar mais um dia. De que vivem? Fazem biscates, desenrascam-se. O Alfredo avança a um ritmo acelerado a fotografar. É impressionante os milhares de telemóveis. A quantidade de cartões pré-pagos que se vendem na rua. Dizem que os chineses já dominam 50 por cento da economia e, contudo, nunca vimos um chinês. Só o mega-coumpound completamente fechado onde há hotéis de escritórios. E crianças. Em todo o lado. E como é que a maior parte delas tem uma camiseta de futebol? Os telemóveis são chineses. Há miúdos de telemóveis, mas são só a carcaça. Avançamos para uma lixeira perto do matadouro. É um fosso muito profundo no Inferno da parte mais que insanamente pobre da cidade. Plástico (sempre ele) a arder. Um burro, cabras, calor das chamas, uma criança no meio daquilo, um tipo tresloucado que me tenta vender um par de chinelos plásticos meio queimados, outro que parece avançar com uma barra de ferro para nós e passa ao lado. A estes, numa clínica ali ao lado em que estivemos, chamam os indigentes. Há gente curiosa. Um velho muçulmano não está a gostar que se esteja a fotografar aquilo. É natural. Nada nos foi propriamente escondido na capital da República do Níger. É bom que se perceba que isto é uma seleção do mau. Fomos ver o pior do pior.

Niamey-lixo-na-cidade-2.jpg

 

As urgências do hospital central onde as poças de sangue se acumulam no chão e cada um tem que trazer as talas para as suas fracturas (mesmo que seja um pedaço de papelão) ou um centro de mulheres com fistulas obstetrícias – grávidas que se rasgaram de dentro por não terem tido uma cesariana e que se vêem ostracizadas pelos maridos. Homens a curtir peles de cabra num cheiro nauseabundo ao calor da uma da tarde que posam, mas sabem que o Benfica joga nesse dia. É uma visão parcial. Podíamos ter ido ver as girafas e os hipopótamos e não fomos. Ou o trabalho de outras ONGs. Já fomos recebidos em países em que se vê o esforço para “compor” a chegada de uma delegação. Aqui nem haveria como. É o que é. O país sabe que é pobre. Um dos homens que nos recebeu também fez notar um pormenor: não temos muito para dar mas esmeramo-nos a receber bem. Foi verdade. Tanta cordialidade e cordialidade espontânea e não a descrevi aqui. Não há agressividade. A desconfiança inicial é esbatida no primeiro minuto. Os homens são imponentes, as mulheres graciosas as crianças lindas e, contudo, sabemos, eu sei, alguns de nós sabemos, que tudo vai piorar. Muito. Basta pensar que a população daquele país vai duplicar e então o que vai acontecer à Europa? Também fomos a jantares faustosos. Podíamos descrever mas seria demagogia. É África. Pessoas a querer receber bem. E fomos porque a diplomacia faz parte deste trabalho. Agora que leram e que deu para perceber que há uma realidade por baixo do que se vê e do pouco que se sabe, também que se perceba que diabolizar o Níger não vai resolver nada. Pelo contrário. Se há coisa que o Níger precisa é de uma mão e não de um punho cerrado ou um dedo apontado. E este texto é uma declaração de amor pelo Níger e por aquelas pessoas que vão buscar um sorriso a uma zona que, pelos vistos, a alma conserva sempre intacta.

Da viagem ao Níger resultaram três projetos da AMI em parceria com três organizações locais (PIPOL): a reabilitação da Clínica Gamkally e formação de profissionais de saúde, a construção de uma escola e um dispensário solicitadas pela Fundação Guri para a futura aldeia de pescadores deslocados. E juntamente com a associação Timidria a aquisição de um terreno para a futura construção de uma escola e de um poço para a aldeia de escravos de Gurti Korà.

"AMI oferece espetáculo e almoço às famílias apoiadas"

 

"Ninguém diga: Desta água não beberei"

PT201185_010.jpg

 

Vice-presidente da AMI e responsável pela administração e coordenação geral da Ação Social em Portugal, Leonor Nobre recorda o início da AMI nesta área, a evolução da abordagem no combate à pobreza e os novos perfis das pessoas que atualmente solicitam apoio à AMI.

 

Quais as razões que motivaram o início da ação social da AMI em Portugal?

Após 10 anos de intervenção no mundo, foi sobretudo o contexto crescente da pobreza na Europa e em Portugal. Lembro-me que enquanto estudei em Bruxelas nunca vi um sem-abrigo ou um mendigo na rua. Quando lá regressei, no final dos anos 80, vi vários nas estações de metro e noutros pontos da cidade. Um fenómeno que se alargou também a Portugal. Havia muita gente que nos escrevia e contactava perguntando: se ajudam pessoas carenciadas em todo o mundo, porque é que não atuam também em Portugal? Decidiu-se então intervir em Portugal com as pessoas sem-abrigo. Na altura, existia o Alto Comissariado da Luta Contra a Pobreza (ACLCP) que era presidido pela Dra. Elza Chambel e que, desde a primeira hora, nos incentivou e apoiou porque existiam poucas instituições a darem apoio aos sem-abrigo.

 

Entretanto, esse apoio foi evoluindo a outras camadas da população?

Houve uma evolução fruto da própria existência dos centros. O primeiro foi a Porta Amiga das Olaias, inaugurado em Dezembro de 1994. Lembro-me de assistir nos primeiros tempos, a um isolamento total das pessoas. Os sem-abrigo comiam e iam-se embora. Não falavam com ninguém, muito menos entre si. Isso impressionou-me. Entretanto, as pessoas que recorriam ao centro foram ganhando confiança com as técnicas sociais e contando as suas necessidades, pedindo ajuda noutros serviços.

Simultaneamente, o ACLCP incentivou-nos a dar outras respostas. Começámos a ter muita procura ao nível do apoio social. Ninguém utilizava o restaurante sem primeiro falar com uma técnica social e isso ajudou-nos a compreender as necessidades e a alargar as respostas. Foi interessante assistir a essa mudança de comportamentos. Do isolamento, as pessoas passaram a ser até um pouco reivindicativas, a terem noção dos seus direitos.

 

É um sinal de integração, essa exigência.

Sem dúvida. O facto de pagarem uma quantia simbólica por alguns serviços, dá-lhes essa autoestima. Estou a pagar um serviço, logo tenho o direito a reclamar.

 

A ação social da AMI iniciou-se com esse registo de apoio a pessoas sem-abrigo mas foi-se alargando…

Sim, com a abertura de novos centros, em Almada, por exemplo. Já não era tanto a população sem-abrigo, mas pessoas que viviam no Bairro do Pica-pau Amarelo, com outro tipo de carências e necessidades. Começámos a alargar o apoio a famílias carenciadas. O que mais motivou as pessoas a recorrerem à AMI foi o facto de existir integração. O centro dá verdadeiro apoio à pessoa e não é apenas uma cantina…

 

Para além dos centros Porta Amiga, a AMI foi alargando os serviços e infraestruturas como os abrigos noturnos e o apoio domiciliário, por exemplo. Como é que surgiram estas valências?

As pessoas iam referindo as suas necessidades. A nossa luta sempre foi o encadeamento de soluções para que a pessoa sem-abrigo tivesse uma casa própria e pudesse gerir a sua vida com autonomia. Assim decidimos criar abrigos em Lisboa e Porto. O primeiro em Lisboa, com o apoio da Câmara Municipal. O simples facto de uma pessoa saber que tem um sítio onde passar a noite predispõe logo para uma atuação diferente no seu dia-a-dia, na procura de emprego. A ideia dos abrigos é essencialmente facilitar a inclusão social pelo emprego.

Com esta evolução dos princípios basilares da AMI em Portugal, fomos sendo solicitados para tantos apoios, que hoje a ação social da AMI toca praticamente todas as necessidades das pessoas que estão excluídas.

Já o apoio domiciliário começou como uma empresa de inserção, criada através do Instituto de Emprego. Na altura, servia apenas refeições ao domicílio. No entanto, considerámos alargar os serviços. Incluímos limpeza e higiene, por exemplo. Avançámos com um projeto que apresentámos junto da Segurança Social. Hoje temos duas carrinhas a circular, uma para as refeições e uma segunda para tratar das questões de higiene.

 

Como é que a AMI tem sentido a crise ao nível dos pedidos de apoio? Tem encontrado novos perfis de pobreza?

Ninguém diga “desta água não beberei”. Num momento de crise como o que estamos a viver, isto é ainda mais notório. Os exemplos são vários. As dependências, o desemprego, a solidão atravessam qualquer classe social. Hoje, muitas pessoas que tinham trabalho, filhos no colégio, faziam viagens ao estrangeiro, enfim, tinham a sua vida organizada, estão a recorrer aos nossos serviços. Basta que um dos cônjuges perca o seu emprego para que tudo se complique.

Existem casos de pessoas que querem ir buscar alimentos aos centros sociais da AMI (Portas Amigas) fora dos horários normais para não serem vistos. Hoje em dia ter um emprego com salário mínimo não quer dizer que não se necessite de ajuda.

A pobreza envergonhada tem aumentado. Uma grande parte das pessoas que recorrem pela primeira vez aos nossos centros faz parte dessa classe média, dessa pobreza envergonhada.