Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

AMI - Age, Muda, Integra

Equipas de Rua da AMI - Testemunho

 
No final de 2011 irá fazer 10 anos que trabalho na Fundação AMI, mais concretamente, no projecto da equipa de rua como investigador social.
 
Estávamos em 2001, e recordo-me neste momento das minhas primeiras saídas à rua juntamente com uma colega. Deslocávamo-nos a pé e de transporte público (autocarro, metro), percorrendo as principais artérias da cidade. Estava-se no início do projecto, a equipa fazia os atendimentos diários num banco do jardim, numas escadas da igreja, numa praça, ou numa artéria movimentada, quer fizesse muito calor ou chovesse. Foi nessa altura que percebi um pouco melhor o desconforto que é estar na rua e nesta situação.
 
Os contactos e as relações com as pessoas foram-se prolongando ao longo dos anos, somos para a maioria deles considerados como uns amigos. Recordo-me do Sr. Manuel que insistia em me oferecer as suas poupanças, do Sr. António, que me oferecia livros e cassetes de música, ou das muitas pessoas em comunidades terapêuticas ou em fase de reinserção que nos contactam.   
 
O projecto evoluiu e, em 2004, a equipa de rua começou a deslocar-se à rua numa carrinha móvel. A equipa passou a ser constituída além de mim e uma assistente social, também de uma psicóloga e enfermeiros voluntários. Constitui-se assim uma equipa multidisciplinar mais abrangente e com mais recursos.
 
É-me extremamente gratificante quando vejo que ao longo desta década ajudámos pessoas, que conseguiram melhorar a sua situação. Houve aquelas que sairam da rua e retornaram às famílias, outras que melhoraram o estado de saúde pois fizeram tratamentos e deixaram de consumir alcool e drogas, e também as que conseguiram um emprego e uma casa para viver. Teria imensas situações e casos para falar que não caberiam nesta página.
 
Actualmente continuo a fazer parte desta equipa que intervêm na cidade de Lisboa e que presta apoio social, psicológico e de pequenos cuidados de saúde às pessoas em situação de sem abrigo.
 
Sérgio Condez - Equipa de Rua de Lisboa