Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

AMI - Age, Muda, Integra

Guiné-Bissau: uma crise esquecida

O Presidente da AMI, Dr. Fernando Nobre, regressa Sábado, dia 29 da Guiné-Bissau para onde partiu em missão no passado dia 21 de Setembro.

A AMI está presente na Guiné-Bissau desde 1987, onde implementou a sua primeira missão de assistência médica no Boé. Em 1998, avançou para o terreno com uma missão de emergência, na sequência do levantamento da junta militar, encabeçada pelo Brigadeiro Ansumane Mané, contra as tropas governamentais de Nino Vieira.

Actualmente, a AMI desenvolve 3 projectos no quadro da sua missão de desenvolvimento na Região Sanitária de Bolama, região que graças à presença da AMI há 12 anos consecutivos, é a que apresenta dos melhores indicadores de saúde do país.

De salientar que a missão que a AMI desenvolve na Guiné-Bissau não beneficia de qualquer financiamento público.

Recorde-se que a Guiné-Bissau atravessa actualmente um dos momentos mais críticos da sua história, com graves perturbações sócio-económicas e de estabilidade política. Os funcionários públicos não são pagos há 4 meses, sendo que o ensino público nem sequer iniciou o ano lectivo devido a uma greve de professores.