Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

AMI - Age, Muda, Integra

AMI Madeira: Pedidos de ajuda atingem máximos históricos

Volvidos dois anos sobre a catástrofe que atingiu a Madeira, os níveis de pobreza e exclusão social, reflectidos nos pedidos de apoio à AMI não param de aumentar. Em 2010, foram 720 as pessoas que recorreram à Porta Amiga do Funchal. No ano passado, este valor atingiu as 972, o que representa um aumento de 35 por cento.

 

Com uma taxa de desemprego a rondar os 13,8 % (cerca de 20 mil pessoas) e perante um cenário de agravamento das condições sociais da população madeirense para este ano, as expectativas não são as mais animadoras.

 

Segundo Helena Andrade, Delegada da AMI na Madeira, "o ambiente geral que se vive é de preocupação, por vezes, de algum desespero". Para esta responsável, "na Madeira a classe média, está a ser fortemente afectada pela conjuntura e é também a esse nível que surgem muitas situações de grande dificuldade, sobretudo devido à falta de emprego."

 

Cristina Meneses, Directora do Centro Porta Amiga do Funchal, revela que as problemáticas mais comuns da população que recorre ao apoio social estão ligadas "a contas em atraso, créditos pessoais, consumo de álcool e violência familiar".

 

Recorde-se que, na sequência da catástrofe de 20 de Fevereiro 2010, para além da doação de 35 mil euros aos Bombeiros Municipais do Funchal para aquisição de material para a equipa de resgate em altitude e floresta, a AMI financiou no ano passado, os Bombeiros Voluntários Madeirenses com 6 mil euros também para compra de material de resgate.

 

Actualmente, a AMI continua a apoiar famílias, vítimas da intempérie e que não têm ainda alojamento definitivo.

 

AMI na ajuda directa às vítimas das catástrofes naturais em Portugal

No dia 20 de Fevereiro de 2010, a Madeira conheceu um dos piores temporais de sempre, causando mais de 40 vítimas mortais, centenas de desalojados e prejuízos materiais elevadíssimos. A AMI avançou nessa altura, com uma missão de emergência na sequência da visita do Presidente da AMI à Ilha, onde, depois de analisar a situação no terreno, reuniu com responsáveis autárquicos, regionais e com a delegação da AMI no Funchal.

 

Respondendo à solicitação da Secretaria de Estado da Segurança Social, a AMI reuniu um grupo de voluntários para trabalhos de acção social e apoio psicológico. Através do Centro Porta Amiga (CPA) do Funchal foram desencadeados todos os mecanismos disponíveis para ajudar a minimizar as consequências desta catástrofe.

 

Paralelamente, a AMI disponibilizou de imediato 85 mil euros para os primeiros trabalhos de auxílio às vítimas, dos quais 35 mil euros para financiamento de equipamento para acções de salvamento aos Bombeiros Municipais do Funchal.

 

Um dia após a catástrofe, o CPA do Funchal começou a receber pedidos de ajuda por parte de utentes que foram afectados directa ou indirectamente pela intempérie.

De acordo com o diagnóstico efectuado, deu-se prioridade à distribuição de bens básicos, como roupa de cama e de banho, vestuário, refeições quentes e alimentos.

 

O acompanhamento de famílias afectadas, que incluiu bens alimentares, provisão de produtos de higiene, vestuário, cuidados de saúde e apoio social, ficou concluído quando estas foram realojadas. As famílias que ainda estão em alojamentos temporários continuam a ser apoiadas pelo CPA do Funchal.

 

O ano de 2010 foi particularmente violento do ponto de vista climatérico e o temporal da Madeira não foi a única intempérie a deixar marcas no território nacional. Em Dezembro do ano passado, um tornado que afectou a zona centro do país provocou sérios estragos, deixando muitas famílias sem tecto. Em resposta a esta situação, a AMI, através do seu Núcleo de Tomar, financiou (em cerca de 10 mil euros), a reconstrução das habitações de duas famílias em Tomar e de oito em Coimbra.

Teatro da Trindade apoia AMI amanhã no Dia Mundial do Teatro - Programa

Dia Mundial do Teatro – Dia 27 de Março de 2010

 

14h00 – Saída de Bombos pelas ruas do Chiado e distribuição de materiais de divulgação.

15h00 – Sessão do espectáculo “ Havia um Menino que era Pessoa” – receita a reverter para AMI Missão Madeira.

16h00 – Sessão na Sala Estúdio do espectáculo “Cantigas numa Noite de Verão” – Entrada gratuita.

16h30 – Gala “Madeira em Concerto” – organização Fundação Inatel – TT // Fernando Pereira com o apoio do Instituto Franco Português.

Apresentação: Carla Andrino e Fernando Pereira

Grande espectáculo musical na sala principal do TT com a participação de artistas na área do jazz, do fado, da música clássica e também da música popular de grande qualidade.

Músicos confirmados: Carlos Alberto Moniz, Fábia Rebordão, Jorge Fernando, Lia Altavilla, Ludmilla Guilmault, Paulo de Carvalho, Rita Guerra, Rui de Luna, Sofia Aparício, Zoey Jones.

Para este evento aplicar-se á o seguinte preçário:

1. Bilhete Ouro: 50€

2. Bilhete Prata: 25€

3. Bilhete Bronze: 15€

20h30 – Sessão do espectáculo “Não se Ganha, Não se paga” – receita a reverter para a AMI Missão Madeira.

No final do espectáculo será realizada uma homenagem ao actor Henrique Feist, assinalando o prémio recentemente recebido como Melhor Actor - SPA 2009 – pela sua interpretação no espectáculo Máquina de Somar.

Seguir-se-á um beberete no átrio do TT acompanhado por um pianista.

21h45 – Sessão na Sala Estúdio do espectáculo “Cantigas numa Noite de Verão” – 50% da receita a reverter para a AMI – Missão Madeira.

Teatro solidário com a AMI neste Sábado em Lisboa

No próximo Sábado, 27 de Março (Dia Mundial do Teatro), às 16h30, o Teatro da Trindade apresenta um espectáculo a reverter a favor da missão da AMI na Madeira.

Este evento musical, contará com a participação dos seguintes artistas: Carlos Alberto Moniz; Fábia Rebordão, Henrique Feist, Jorge Fernando; Lia Altavilla; Ludmilla Gilmault;Paulo de Carvalho; Rita Guerra; Rui de Luna; Sofia Aparício; Zoey Jones. A apresentação estará a cargo de  Carla Andrino e Fernando Pereira.
Nesse mesmo dia, à noite, será exibida a peça actualmente em cena neste Teatro “Não se ganha.Não se paga.“ As receitas revertem igualmente a favor da AMI, na Madeira.

AMI lança campanha de emergência para a Madeira

 

Press Release
 
A AMI inicia hoje campanha de recolha de fundos para missão de emergência na Madeira, disponibilizando, desde já, 50 mil euros para primeiros trabalhos de auxílio às vítimas das chuvas torrenciais que atingiram a Ilha.
 
A decisão de avançar com uma missão de emergência surge hoje na sequência da visita à Madeira do presidente da AMI, onde, depois de analisar a situação no terreno, reuniu com responsáveis autárquicos e com a delegação no Funchal.
 
Os donativos podem ser depositados na conta Emergência Madeira:
 
NIB: 0007 001 500 400 000 00672  
Multibanco: Entidade 20 909 Refª 909 909 909
IBAN: PT 50 0007 001 500 400 000 00672
SWITF: BES CPTPL
 
A AMI, através do Centro Porta Amiga do Funchal, já se encontra a auxiliar os desalojados desde domingo, com a entrega de roupa de cama, de banho, vestuário e calçado e refeições quentes e alimentos básicos. Por outro lado, ao nível dos recursos humanos, a ONG portuguesa respondeu afirmativamente ao apelo efectuado pela Secretaria de Estado da Segurança Social com dois voluntários para trabalhos de acção social e apoio psicológico.
 
Recorde-se que a AMI tem vindo a actuar na Madeira há mais de uma década. Desde a abertura em 1997 e até ao ano passado, o Centro Porta Amiga do Funchal prestou auxílio social a mais de 3 380 pessoas.

Fernando Nobre a caminho da Madeira

Press Release

 

O presidente da AMI parte amanhã para a Madeira com o objectivo de avaliar a situação de catástrofe que assola a região. O responsável da ONG portuguesa irá reunir-se com a vereadora dos Assuntos Sociais da Câmara Municipal do Funchal e com a delegada da instituição na Ilha para saber das necessidades operacionais e logísticas no terreno, oferecendo a colaboração nos trabalhos de ajuda humanitária.

 

A AMI, através do Centro Porta Amiga do Funchal, já se encontra a auxiliar as vítimas do dilúvio. Ontem de manhã enviou roupa de cama, de banho, vestuário e calçado e, durante o dia de hoje, em resposta ao pedido de ajuda dos militares do Regimento 3, a organização coloca à disposição dos desalojados mais de uma dezena de refeições quentes e uma série de alimentos básicos (arroz, massa, leite, entre outros). Ao nível dos recursos humanos, a AMI respondeu positivamente ao apelo efectuado pela Secretaria de Estado da Segurança Social com dois voluntários que irão trabalhar na acção social e no apoio psicólogico às vítimas da calamidade.

 

Recorde-se que a AMI tem vindo a actuar na Madeira há mais de uma década. Desde a abertura em 1997 e até ao ano passado, o Centro Porta Amiga do Funchal prestou auxílio social a mais de 3 380 pessoas.

AMI Madeira

As instalações da AMI na Madeira não sofreram danos. O Centro Porta Amiga no Funchal enviou esta manhã roupa de cama, de banho, pessoal e calçado para os desalojados que se encontram no Comando Militar. O Centro ofereceu-se também para enviar voluntários caso necessário.