Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

AMI - Age, Muda, Integra

"Por favor não a levem daqui"

 

Volvida uma semana sobre a entrega dos diplomas em Vila Nova de Gaia, hoje foi a vez da Infoteca FNAC/AMI Contra a Infoexclusão de Cascais dar os parabéns aos 11 formandos pela conclusão do Curso de Tecnologias de Informação e Comunicação.

 

Para alguns, foi a primeira vez que ligaram um computador. Para outros, o curso representou a estreia absoluta nas redes sociais. Vários manifestaram surpresa e emoção com a descoberta do Facebook. De repente, o mundo ficou mais pequeno. Familiares do Brasil e da Holanda cabem agora todos dentro de uma página com “chat”. Milhares de quilómetros reduzidos à distância de um teclado. “Agora já posso contactar a minha família que vive no estrangeiro”, confessou-nos António.

 

Já para Simão, a novidade veio na forma como os conhecimentos adquiridos no curso o aproximam do universo dos filhos. “Tal como eu, creio que a maioria dos meus colegas de curso tem mais de 50 anos e filhos. Para mim foi importante obter este conhecimentos para compreender melhor o mundo dos meus filhos. Agora já não podem dizer que estou fora. Sinto-me mais próximo deles.”

 

Após receberem diploma, houve tempo para os formandos elogiarem a directora do Centro Porta Amiga de Cascais, Marlene Silva, pela disponibilidade, amizade e simpatia e pedirem, em jeito de cunha para a formadora do curso, Eunice Correia, continuar a trabalhar na Porta Amiga de Cascais. “Por favor não a levem daqui”.

 

“A AMI apareceu no momento certo”

O Centro Porta Amiga de Vila Nova de Gaia acolheu ontem ao final da manhã a cerimónia de entrega dos certificados de conclusão do curso Tecnologias de Informação e Comunicação realizado nas Infotecas FNAC/AMI Contra a Infoexclusão de Vila Nova de Gaia e do Porto. Formandos de ambas as margens do Rio Douro juntaram-se para receber os diplomas. Houve aplausos, sorrisos, ansiedade, lágrimas contidas e até um discurso inesperado.

 

Antes da entrega dos diplomas, já alguns formandos se encontravam na Infoteca. Os computadores ligados serviam para matar o tempo e exercitar
informalmente os conhecimentos adquiridos nas perto de 50 horas de formação. Ramiro Santos, 55 anos, foi um dos primeiros a chegar. Com a palavra “emprego” escrita no Google procurava já um futuro entre os resultados difusos da pesquisa. “Quero arranjar uma ocupação: porteiro, serviços administrativos ou num escritório. Qualquer coisa. A minha vida é um marasmo”, diz. Um acidente de mota empurrou-o de forma inesperada para uma reforma por invalidez. Subitamente o tempo dilatou-se e a solidão entrou-lhe pela vida dentro. “Venho cá todos os dias, almoço e à tarde converso com os amigos que fiz”. O Centro Porta Amiga de Gaia tornou-se uma espécie de segunda casa. Relativamente à formação foi uma oportunidade de alargar o círculo de amigos e “actualizar-me nestas matérias da informática. Pena o curso ser tão curto. Gostaria que fossem mais horas”, diz. O futuro tem agora a forma de um certificado transformado numa chave que abre um novo mundo de sites, programas informáticos, pesquisas. “Gostei de tudo. Adquiri novos conhecimentos que serão úteis para encontrar uma ocupação”, afirma.

 

Com a chegada dos representantes da FNAC e Galileu - instituições envolvidas no funcionamento das infotecas de Porto e Gaia  - os olhos levantaram-se dos monitores. Inicia-se a entrega dos diplomas. Um a um, os finalistas do Curso de Tecnologias de Informação e Comunicação recebem, entre salvas de palmas e sorrisos dos colegas, os certificados. Tempo ainda para o inesperado. Após os discursos e agradecimentos oficiais, Susana Reis, directora da Centro Porta Amiga de Gaia pergunta se mais alguém quer falar, acrescentar algo. Quando o silêncio parecia empurrar a cerimónia para o fim, um formando, encostado à parede no fundo da sala, levanta o dedo e pede a palavra. Manuel Fernandes, 39 anos, retira do bolso do casaco
uma folha dobrada em quatro. “Quero apenas dizer umas palavras, se não se importam”. Estica o manuscrito sem o rasgar, engole o nervosismo e lê:

 

“Na altura em que a Infoteca iniciava mais esta formação em informática decidi inscrever-me. Embora estivesse a estudar, a AMI apareceu no
momento certo. Aprendi a descobrir as minhas qualidades e também a dialogar com os meus colegas de trabalho na infoteca. A Informática veio contribuir para melhorar os meus conhecimentos. Muitos de nós temos capacidades para desenvolver, ideias, seguimos caminhos difíceis, mas podemos contar sempre com o apoio destes profissionais. Sem a AMI poucos de nós conseguiríamos produzir algo de tão belo como lidar com a Informática.

Estes profissionais da AMI dão o melhor que têm para uma sociedade mais justa, mas também temos de fazer a nossa parte.

Agradeço do fundo do meu coração à Dra. Alice que contribuiu para eu finalizar com êxito os meus estudos, à responsável da AMI, a Dra. Susana, por ter sempre a porta aberta a quem precisa, à Dra. Telma, enfim… a todos os funcionários desta instituição.

É com prazer que recebo este certificado da parte da Galileu.

Obrigado a todos.”

 

Manuel Fernandes para além do diploma recebeu a atenção e admiração dos presentes. Trabalha como assistente de motorista, à noite estuda.
Gosta de ler e escrever. “Passo o tempo na biblioteca”, diz. Actualmente tem uma biografia de Winston Churchill como livro de cabeceira. Um amigo de
trabalho disse-lhe que a AMI tinha os cursos de informática gratuitos. Inscreveu-se e ainda bem. A cerimónia de entrega dos certificados encerrou da
melhor forma possível.

 

A funcionar desde 2007, a Infoteca FNAC/AMI do Centro Porta Amiga de Gaia já formou 189 pessoas, enquanto a congénere do Porto, dois anos mais
nova, já acolheu 117 formandos.

AMI inaugura Infoteca no Funchal

 

A Fundação AMI inaugura hoje, dia 30, pelas 11h30, a Infoteca Fnac/AMI Contra a Infoexclusão na Porta Amiga do Funchal.

Trata-se do quarto equipamento do género a abrir as portas e tem como objectivo central o combate à infoexclusão, proporcionando a oportunidade de as populações se familiarizarem com as Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC) e de participarem na sociedade digital e global, através da realização de acções de formação e da disponibilização de computadores com acesso à Internet.

O projecto, que resulta de uma parceria com a Fnac e faz parte de um plano a cinco anos com o objectivo de criar cinco Infotecas nos Centros Porta Amiga da AMI, conta ainda com os apoios da HP, Galileu, Microsoft, Escola Profissional Atlântico e da Escola Profissional Cristóvão Colombo

As dificuldades de acesso às TIC aumentam entre as camadas da população que por se encontrarem em circunstâncias de maior vulnerabilidade, ficam de fora da actual sociedade da informação. O conhecimento das novas tecnologias configura-se como uma forma de inclusão social e de acesso ao mercado de trabalho.

Actualmente encontram-se a funcionar três infotecas Fnac/AMI situadas no Porto, Vila Nova de Gaia e Cascais, tendo 329 pessoas frequentado o curso de formação em Tecnologias de Informação e Comunicação.